Atualização do Mercado Imobiliário de Portugal fevereiro 2024

Atualização do Mercado Imobiliário de Portugal fevereiro 2024

Atualização do Mercado Imobiliário de Portugal fevereiro 2024

Decifrar o mercado imobiliário português: Porque é que o incumprimento se mantém baixo apesar da subida das taxas de juro

 
 
Como corretor imobiliário experiente, é crucial compreender os meandros do panorama imobiliário português, especialmente quando confrontado com tendências inesperadas. Apesar da noção prevalecente de que o aumento das taxas de juro iria desencadear um aumento das reintegrações de posse, a realidade desafia essas expectativas. Em vez disso, encontramo-nos num cenário em que menos famílias estão a lutar para cumprir as suas obrigações hipotecárias, mesmo num contexto de subida das taxas de juro.
 
 
 
Analisando os últimos dados do Banco de Portugal (BdP), torna-se evidente que a proporção de indivíduos em incumprimento no pagamento das suas hipotecas atingiu um mínimo histórico de apenas 0,2% em dezembro de 2023. Esta tendência é particularmente digna de nota, dadas as pressões financeiras com que as famílias se debatem no atual clima económico.
 
 

 

Então, que factores contribuem para esta inesperada resiliência?

 
 
Em primeiro lugar, a maior supervisão regulamentar por parte do BdP obrigou os bancos a adotar medidas mais rigorosas para ajudar os mutuários em risco de incumprimento. Esta abordagem pró-ativa fomentou uma cultura de prudência no sector bancário, mitigando os potenciais riscos associados ao incumprimento das hipotecas.
 
 
 
Em segundo lugar, o mercado de trabalho robusto de Portugal, caracterizado por taxas de desemprego relativamente baixas, funciona como uma força estabilizadora. Ao contrário dos cenários em que as elevadas taxas de desemprego estão frequentemente associadas a um aumento dos incumprimentos hipotecários, o panorama do emprego em Portugal mantém-se resiliente, reduzindo assim a probabilidade de as famílias se atrasarem no pagamento das suas hipotecas.
 
 
 
Para além disso, a intervenção do Governo através de vários regimes de apoio tem constituído uma tábua de salvação para as famílias em dificuldades. Iniciativas como as bonificações de juros e as opções de reembolso flexíveis aliviaram os encargos financeiros, permitindo que as famílias se mantenham à tona em tempos difíceis.
 
 
 
Além disso, a trajetória ascendente dos preços dos imóveis proporcionou aos proprietários uma rede de segurança. A capacidade de alavancar o capital acumulado através da venda de imóveis oferece uma via alternativa para as famílias que enfrentam dificuldades financeiras, atenuando assim o risco de incumprimento.
 
 
 
Em suma, a convergência da vigilância regulamentar, da estabilidade económica, da intervenção governamental e da dinâmica do mercado imobiliário contribuiu para a resiliência sustentada do mercado imobiliário português num contexto de subida das taxas de juro. Como corretores imobiliários, é imperativo compreender estes factores subjacentes para melhor servir os nossos clientes e navegar eficazmente na paisagem em evolução. Ao mantermo-nos informados e adaptáveis, podemos continuar a prosperar perante a incerteza, assegurando a estabilidade e a prosperidade do sector imobiliário português.
 
 
 
Keely Capel
Mediadora Imobiliária
 
(0) (0)
+351915471151
O nosso website utiliza cookies para melhorar a experiência do utilizador. Ao utilizar o website, confirma que aceita a utilização de cookies de acordo com a nossa Política de Privacidade.   Saiba mais